Distúrbios

Sonambulismo

É um dos distúrbios do sono mais comuns na infância, ocorrendo em torno de 30% das crianças de 3 a 10 anos de idade. Diminui na adolescência, mas um pequeno grupo persiste com o transtorno até a idade adulta.

QUADRO CLÍNICO

É um distúrbio do sono profundo e ocorre geralmente nas primeiras horas de sono e dura de poucos segundos a vários minutos. O sonâmbulo senta na cama, ou se levanta, de olhos abertos, mas apesar de parecer acordado, está dormindo profundamente. Olha para as pessoas sem reconhece-las e geralmente responde às perguntas, com frases sem nenhum sentido. Pode andar pelo quarto ou sair para outros cômodos, descer escadas e abrir portas e janelas. Raramente apresenta comportamentos mais complexos como trocar as roupas, urinar ou escovar os dentes. Normalmente ele mantém um reconhecimento parcial do ambiente e por isto costuma evitar objetos em seu caminho ou fazer coisas perigosas. Se os familiares tentarem acorda-lo, poderão conseguir mas com muita dificuldade. Adultos sonambúlicos tendem a apresentar movimentos mais bruscos e violentos, chegando a bater contra portas e janelas e a se ferir ; se os familiares tentarem contê-lo, poderão reagir com violência, tentando escapar. Quando é acordado, geralmente não se recorda de estar sonhando. Na manhã seguinte não costuma ter nenhuma lembrança do evento, ou se lembra muito vagamente de alguma coisa.
A polissonografia (exame feito durante o sono) é importante no adulto, para fazer a diferenciação entre o sonambulismo e o distúrbio comportamental do sono REM, pois o tratamento é diferente para cada caso.

CAUSAS
A causa do sonambulismo ainda é desconhecida. O transtorno surge com mais freqüência em famílias que tem muita necessidade de sono. Acontece mais em situações de privação de sono e de fadiga intensa. Geralmente as crianças sonambúlicas não apresentam maiores problemas emocionais o que ocorre nos adultos.

TRATAMENTO

Sempre existe o risco da pessoa em crise de sonambulismo se machucar, tropeçando, caindo de uma escada ou de uma janela. Desta forma é necessário cuidado dos familiares e do próprio paciente, tomando condutas simples a fim de evitar acidentes. Dentre estas, evitar deixar janelas abertas, trancar as portas e tirar as chaves e retirar objetos pontiagudos ou quebráveis de dentro do quarto. O sonâmbulo também deve evitar dormir na parte de cima do beliche. A pessoa com este transtorno, deve manter horários regulares para dormir e acordar e fazer uma higiene do sono adequada.
Aconselha-se aos familiares não ficarem forçando o sonâmbulo a despertar durante o evento. Basta ficar ao seu lado, até o episódio terminar espontaneamente e reconduzi-lo de volta ao leito. As crianças com sonambulismo deixam de apresenta-lo espontaneamente, sem necessidade de tratamento. Avaliação psicológica e uso de medicamentos só são necessárias em casos de episódios muito intensos e freqüentes.
As pessoas que passam a ter crises de sonambulismo à partir dos 20 anos de idade, devem ser examinadas por um médico especialista e devem fazer uma polissonografia numa clínica de sono. Os medicamentos benzodiazepínicos costumam ser eficazes no transtorno, porque diminuem as fases profundas do sono.

Veja Também

José Mól

Atua como médico em consultório privado, com ênfases nas áreas de PSIQUIATRIA e MEDICINA do SONO e faz palestras sobre o assunto, em congressos nacionais e internacionais e em instituições públicas e privadas.

Contato

Belo Horizonte:
31-3283-9922 | 31-9988-1661.
Ipatinga:
31-3824-8405 | 31-9988-1661.

Não atendemos convênios

Nome
Telefone *
E-mail *
Mensagem *